Episódio 3 – Proteção Espiritual


















Chico em Peirópolis




Peirópolis, como já dissemos era um lugar muito especial por propiciar as manifestações espirituais. Sabemos que essa qualidade não é fruto apenas da ação de forças magnéticas especiais, variações do fluído cósmico universal. Tem a ver também com ação espiritual especializada nas manifestações e devidamente autorizada pelas hierarquias espirituais a que estão subordinadas.

Ao que nos foi dado saber pelo Langerton, A Vila Cantinho Espírita em Peirópolis tinha um guarda espiritual que vigiava constantemente o sítio e seus departamentos e apoiava o nosso querido professor em suas atividades espirituais. O nome desta entidade era Jazon.

Muitas vezes as pessoas chegavam e encontravam Langerton já esperando a todos porque já tinha sido avisado da presença dos visitantes em casos emergenciais. Jazon também cuidava dos internos, quando algum perigo eminente estava pondo em risco a integridade de todos. Era em fim um companheiro espiritual de todas as horas.

Certa vez, um irmão obsedado entrou em Peirópolis sozinho à noite e começou uma pequena confusão, quebrando o silêncio da noite… Neste momento o Jazon aparece ao Langerton que dormia e lhe indica o que ocorria, ajudando a amparar o necessitado que estava escondido em cima de uma árvore…

Peirópolis estava intimamente ligada ao Grupo Espírita da Prece por duas razões:

_O Chico era indiretamente (foi o intermediário para Emmanuel orientar o Langerton) um dos responsáveis pela fundação do Centro Espírita Eurípedes Barsanulfo.

_A dedicação do Langerton às atividades do Grupo Espírita da Prece.

Isso tudo irmanava não só os dois trabalhadores do Cristo como as duas instituições no ideal do amor cristão.

No Livro “Dimensões Espirituais do Centro Espírita“, a médium e escritora Suely Caldas Schubert aborda na mensagem intitulada “O Outro lado do Trabalho mediúnico de Chico Xavier”, este aspecto da ligação das atividades desenvolvidas pelo Langerton em Peirópolis e do médium Chico Xavier em Uberaba e, também o lado da fortaleza espiritual que guardava A Vila Cantinho Espírita para as atividades que lá eram realizadas…
































Vista do centro espírita Eurípedes Barsanulfo e da Farmácia Frederico Peiró, no tempo das visitas do médium Chico Xavier
































Vista do albergue em peirópolis no tempo do Chico


O Dia em que o Chico entrega o receituário mediúnico ao Langerton


É sabido de todos e relatado por diversos biógrafos, que o Chico receitava homeopatia sob ação do espírito Dr. Adolfo Bezerra de Menezes. Este era apenas um dos aspectos da gloriosa mediunidade de Chico Xavier (Mickael Ponsardim – Chico Xavier, o Homem e o médium). Mas, um dia o Chico publicamente (1985) avisa a todos que, a partir daquela data quem precisasse de receitas de homeopatia e fitoterapia, deveria procurar o Langerton em Peirópolis.

Em meio à estranheza que isso causou (muitos se perguntando quem era esse tal Langerton) o Chico contou este Caso para espanto de todos.

Há algum tempo o Emmanuel apareceu ao Chico e disse: – pôe-te em preces que o Langerton e a família dele correm perigo agora, e complementa: – prepara-te também para receber aqui o agressor.

Alguns esclarecimentos, Peirópolis estava muito movimentada principalmente com as visitas do Chico às sextas-feiras, dia das atividades do Centro Espírita Eurípedes Barsanulfo do qual Langerton era responsável.

Isso chamou a atenção de muitos pela movimentação intensa de carros naquele lugar neste dias e em outros de pessoas que vinham buscar o remédio. E um malfeitor passou a vigiar de perto Peirópolis pensando que naquele lugar deveria haver muito dinheiro e com alguns comparsas fez o seguinte plano: Iria fingir ser um necessitado precisando se albergar (já havia sido construído o albergue Dr Adolfo Bezerra de Menezes e Emílio Luz) e na hora aprazada (22h) quando todos estivessem dormindo ele mataria toda a família e abriria os portões para que procurassem o suposto “ tesouro “.

O grupo ficaria do lado de fora do sítio esperando o sinal para concluir o plano. Feito assim, ohomem chegou à Vila Cantinho espírita fingindo ser um necessitado. A equipe espiritual estava vigilante mas não falaram nada ao Langerton para fortalecimento da sua fé e também para não assustar a família com o futuro do trabalho.

Langerton recebe-o com amabilidade, como sempre fazia, encaminhando-o para um quarto do albergue. Serve um prato de sopa como jantar, e às 20h como era normal todos se recolhem na casa, apagando as luzes. O malfeitor esperou um pouco e vendo que tudo estava em silêncio, tendo a certeza que todos dormiam ele foi acender a luz para pegar a sua arma e se deparou com um grupo de espíritos Trajados à Romana (soldados) materializados diante de si que o cercaram de tal forma que ele não tinha meios de escapar, ficando como que petrificado com o inesperado incidente…

Foi quando uma entidade muito austera se aproxima e diz em tom de repreensão: -Então, é assim que você ia retribuir o amor com que foi recebido neste lugar? Recebeu comida, roupa, uma cama para repouso, carinho e atenção do anfitrião e se prepara para matar eles? A entidade ergue um livro e diz:- Este é o livro da sua vida… E começa a mostrar as gravuras onde estavam registrados todos os momentos dele desde o dia em que ele nasceu… seu lar, sua mãezinha e os cuidados com ele na infância… o criminoso é tomado de um profundo arrependimento, chora e pede perdão pelo que ia fazer.

A entidade então pede para que ele não falasse nada ao médium e quando amanhecesse o dia que procurasse o médium Francisco Cândido Xavier para orientações, dando-lhe o endereço.

Quando o dia amanheceu o Sr. Langerton achou estranho que o hospede só ficava olhando pela fresta da porta, mas não saia para o Café da manhã. Quando em um dado momento o médium volta para a sua casa, o homem sai em disparada em direção a Uberaba.

Encontrando o Chico, foi amparado, esclarecido e disse que não poderia contar ao médium de Peirópolis quem ele era e o que iria fazer naquela noite.

Foi assim que este homem ingressou entre as dezenas de colaboradores do Chico e Langerton, sem que este soubesse nunca de quem se tratava.

Neste dia, em que o Chico entregou o receituário ao Langerton, ele revelou esta história e pediu que todos colaborassem com o Langerton nesta incumbência.

Observação: Langerton atendia no receituário mediúnico desde 1961, quando da fundação do Centro Espírita Eurípedes Barsanulfo.































Chico em Peirópolis



Muita paz a todos



Geraldo Nunes




RETORNAR AO MEMORIAL DE LANGERTON


Fut7 Veteranos